terça-feira, 25 de outubro de 2011

III Congresso Baiano de Educação Inclusiva: Práticas, Formação e Lugares - I Simpósio Brasileiro de Educação Inclusiva

Local:
Centro de Convenções, Salvador - Bahia

Período
:
30 de outubro a 1º de novembro de 2011

Público alvo:

Docentes, estudantes de graduação e de pós-graduação, pesquisadores, e profissionais.

O resultado das avaliações dos trabalhos estará disponível no dia 11/10
Abertas inscrições para Mini-cursos.
Organização e Realização:
Apoio
                   

Secretaria Executiva
TATICCA Eventos
Tel.: 71 3354.9050/ 3494.2838
E-mail: IIIcbei@taticcaeventos.com




 

I Colóquio Ofício do Historiador: da pesquisa a sala de aula

Colóquio Ofício do Historiador: da pesquisa a sala de aula se constitui como um espaço de debate e reflexão acerca da formação do profissional de História e é uma iniciativa dos cursos de graduação e de especialização em História da Faculdade São Bento da Bahia. 


Dentro do carisma beneditino de educação, o ensino e a pesquisa despontam como eixos norteadores da vida acadêmica, razão pela qual reunimos pesquisadores e professores de história com o intuito de colocarem as questões desafiadoras que emergem dos diferentes contextos profissionais.  

Além de ser idealizado em homenagem ao Dia Nacional do Historiador (LEI Nº 12.130, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009), esse ano nosso evento articula-se com a Semana Nacional do Livro e da Biblioteca numa referência ao trabalho desenvolvido pelo Setor de Pesquisa das Obras Raras da Biblioteca do Mosteiro de São Bento da Bahia, acervo que abriga valiosas contribuições para o estudo da História da Bahia e que nos chama atenção para a necessidade da preservação e da conservação da memória.

A Semana Nacional do Livro e da Biblioteca foi instituída pelo Decreto Nº 84.631 de 09 de abril de 1980, entre os dias 23  e 29 de outubro, sendo a última data consagrada ao Dia Nacional do Livro, pela Lei 5.191de 18 de dezembro de 1980.


SERVIÇO                                                                                             Confira a ProgramaçãoFolder.pdf

Quando: 25 e 26 de outubro
Horário: das 14:00 às 18:00 horas
Local: auditório da Fundação João Fernandes da Cunha - Largo do Campo Grande, nº 8, Campo Grande - Salvador/Bahia.
INSCRIÇÕES GRATUITAS: envie mensagem com a palavra "inscrição" no campo assunto, contendo seu nome completo, nome da instituição, titulação e nº de contato para  o email: cahrevolucaoalfaiates@gmail.com

Educação Pública e Secundarista em Salvador: O Ginásio da Bahia, 1895-1942

O Departamento de História do Centro Universitário Jorge Amado (UNIJORGE) juntamente com o Grupo de Pesquisa Educação, Cultura e Conhecimento (UNEB), convida você para participar do ciclo de palestra Diálogos Históricos. O Evento "Diálogos Históricos" tem como principal objetivo discutir, debater e mostrar os múltiplos olhares históricos sobre determinados objetos de pesquisa. Para tanto, diversificar e convidar pesquisadores que produzem estudos diferenciados sobre o assunto é a principal proposta.

Tema: Educação Pública e Secundarista em Salvador: O Ginásio da Bahia, 1895-1942
Prof°Mes. Déborah Kelma de Lima


Data: 25 de Outubro de 2011
Horário: 18:00
Local: Auditório Nível 3 - UNIJORGE
Realização:  Departamento de História (UNIJORGE) e Grupo de Pesquisa Educação, Cultura e Conhecimento (UNEB)
Apoio : Andarilhos da História, Jornal do Recôncavo, Centro Acadêmico União dos Búzios.

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Colóquios sobre Gênero e Feminismos


Colóquios sobre Gênero e Feminismos UFSC/UFBA
12/09 a 03/10/2011
Realização: Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre a Mulher – NEIM/UFBA, PPGNEIM/UFBA e Bacharelado em Estudos de Gênero e Diversidade/UFBA.
Programação
Ciclo I: Gênero, memória, resistências e feminismos
12/09, segunda-feira, 18h30 – Auditório Faculdade de Arquitetura-UFBA
Abertura: Desafios feministas à pesquisa historiográfica
• Profa. Joana Maria Pedro/UFSC: Gênero como categoria transversal na historiografia
• Profa. Cristina Scheibe Wolff/UFSC: Gênero e as tiranias da memória
13/09, terça, 14h - Auditório CRH/UFBA – São Lázaro
• Profa. Cristina Scheibe Wolff/UFSC: Vanguarda e Gênero nas organizações da esquerda armada no Cone Sul (1960-1980)
14/09, quinta,18h30 - Auditório Faculdade de Arquitetura-UFBA
Diálogos feministas interinstitucionais e interdisciplinares: reflexões sobre o futuro da pesquisa histórica feminista, caminhos e temas
• Profa. Joana Maria Pedro/UFSC: A memória é ‘gendrada’?
• Profa. Cristina Scheibe Wolff/UFSC: A perspectiva comparativa nos estudos de gênero e história
• Profa. Cecília Sardenberg:/UFBA O gênero da memória – perspectivas da antropologia feminista
15/09, quinta, 14h - Auditório CRH/UFBA – São Lázaro
• Profa. Joana Maria Pedro: Artes do gênero e um feminismo bem humorado
Ciclo II: Gênero, Ciências, Medicina e feminismos
28/09, quarta-feira, 18h30, Auditório da Faculdade de Arquitetura/UFBA
Temáticas prioritárias no campo de Gênero e Ciências no Brasil: raça/etnia, uma lacuna?
• Profa. Dra. Luzinete Simões Minela/UFSC
29/09, quinta-feira, 14h, Auditório CRH/UFBA – São Lázaro
Debatendo as relações entre sujeito e poder. Problematizações do sujeito na obra de Foucault: leituras de autor@s brasileir@s
• Profa. Dra. Luzinete Simões Minela/UFSC
30/09, sexta-feira,14h, Auditório CRH/UFBA – São Lázaro
Foucault e os feminismos
• Profa. Dra. Luzinete Simões Minela/UFSC
03/10, segunda-feira, 18h30, Auditório da Faculdade de Arquitetura/UFBA
Diálogos interinstitucionais e interdisciplinares: Reflexões feministas sobre a Ciência e a Medicina
• Profa. Luzinete Simões Minella/ UFSC - Mulheres no campo da Medicina no Nordeste e no Sul do Brasil: interseções de gênero, gerações, classe e etnia
• Profa. Ângela Freire/ UFBA: O desafio da transversalidade de gênero nas discussões acadêmicas sobre Ciência e Ensino de Ciências
• Profa. Iole Vanin/UFBA: As damas de branco da Faculdade de Medicina da Bahia (1879-1949): médicas, farmacêuticas e odontólogas.
Fonte: FFCH

Seminário de História Política - SEHPOLIS - UFBA

Para baixar a programação clique aqui.
As inscrições para ouvintes do II Seminário de História Política já estão abertas e são gratuitas.
Fonte: SEHPOLIS

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Professores paralisam trabalhos nesta terça-feira em toda a Bahia

Os profissionais das redes municipal e estadual de educação fazem nesta terça-feira (13) uma paralisação dos trabalhos em todas as escolas. A manifestação faz parte da Agenda Nacional de Lutas para o mês de setembro e outubro discutido no Conselho Nacional de Entidades e para cobrar mudanças no plano de carreira da categoria. Como parte do movimento os professores fazem uma manifestação, às 9h, na Praça da Piedade, em Salvador.

Fonte: Consulado Social

Palestra Racismo Científico - DCE-FSBB


Fonte: CAHRA

Escola Olodum abre inscrições para cursos de percussão e dança Afro

A Escola Olodum  inscreve, até o dia 23 de setembro, para os cursos de Percussão Samba- reggae e Dança Afro oferecidos gratuitamente. Os candidatos devem ser crianças e adolescentes, dos 07 aos 16 anos, que estejam matriculados em escolas públicas. Serão atendidos 160 alunos, divididos nos turnos matutino e vespertino.
Para se inscrever é necessário o preenchimento da ficha de matricula, fornecida pela Escola e devidamente preenchida e assinada pelos pais ou responsáveis, xerox do comprovante de matricula em escola pública, 01 Foto 3X4 recente, xerox do smart cart, xerox da carteira de identidade, comprovante de residência, assinatura da autorização do uso de imagem, participar da audição de aptidão para a capacitação proposta e fazer uma redação sobre o tema apontado.
Esta atividade da Escola Olodum é patrocinada pela Petrobras, por meio do programa Petrobras Desenvolvimento e Cidadania e busca unir prática e teoria, arte e tecnologia, valores culturais comunitários e globalização, para tornar viável a missão do Olodum que é desenvolver o exercício da cidadania e preservação da cultura afro, por meio das artes.
Os candidatos aprovados receberão, além todo o material didático e lanche, a oportunidade de aprender percussão e dança na Escola da maior banda percussiva do planeta,  que tem o  objetivo preservar e valorizar a cultura negra, buscando construir uma identidade cultural e a valorização dos afrosbrasileiros.
Se inscreva e participe!!! Venha aprender a tocar e dançar junto com quem mais entende de samba-reggae!!!
Maiores informações:
Coordenação: Mara Felipe e Cristina Calacio
Rua das Laranjeiras, 30 – Pelourinho 40026-230 Salvador – Bahia
Telefone/Fax:  3322 8069 E-mail: escolaolodum@uol.com.br

Fonte: Olodum

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Oficinas Técnicas do Conselho Nacional de Arquivos – CONARQ


Data e horário: De 03 a 07 de outubro de 2011, das 9h às 13h e 14h às 18h.
Local: Auditório Kátia Mattoso, localizado na Biblioteca Pública do Estado da Bahia. Rua General Labatut, 27, Barris. Salvador. Bahia.
Inscrições gratuitas - Vagas limitadas mediante confirmação APB/FPC.
A ficha de inscrição deverá ser encaminhada para o e-mail: apb.fpc@fpc.ba.gov.br ou Fax (71) 3116-2165. Faça o download da ficha aqui 

Fonte: Fundação Pedro Calmon

sábado, 3 de setembro de 2011

Protesto - Elevadores Unijorge


Arte criada pelo curso de Publicidade e Propaganda.

Paralisação Estudantil por tempo indeterminado na UFRB


Carta Aberta aos estudantes da UFRB

Cerca de mil estudantes da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - UFRB reunidos em Assembléia Geral, no dia 1º de setembro, no prédio da Reitoria no município de Cruz das Almas – BA, discutiram a atual situação da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia e da educação superior do país. Após um dia inteiro de exaustivo debate foi deliberado paralisar as atividades nos centros e ocupar a reitoria por tempo indeterminado.
O indicativo de paralisação surgiu após um longo período de negociação entre o Reitor, Paulo Gabriel Soledade Nacif, e o Conselho de Entidades de Base – CEB que se organiza a cerca de 1 ano com a livre participação de qualquer estudante desta universidade. No CEB realizado em Cachoeira no mês de junho, o magnífico reitor não demonstrou compromisso em atender as nossas reivindicações que em síntese fazem referência a assistência estudantil plena, manutenção e ampliação dos centros, implantação do hospital veterinário, não privatização dos espaços da universidade, concurso público para substituir @s trabalhador@s tercerizad@s, construção de RU e residências em todos os campi, ampliação do acervo das bibliotecas, construção dos laboratórios... Pauta que já vem sendo discutida desde 2008.
Enfim, todas as nossas reivindicações são condições básicas para o funcionamento de nossa universidade, uma vez que esses pontos são condições mínimas para um ensino verdadeiramente de qualidade. Hoje a UFRB, com apenas 6 anos de criação, apresenta todos os problemas de universidades com mais de 50 anos de existência. Isso demonstra que há uma forte investida contra a educação pública nesse país e uma declarada política de precarização das universidades federais.
Nós, estudantes, entendemos também que uma UFRB verdadeiramente de qualidade e socialmente referenciada só é possível com o mínimo exigido por nós. Caso contrário, todo o discurso que envolva a defesa de uma educação de qualidade, do conhecimento livre dos interesses do mercado e de uma formação completa para a juventude brasileira, não passará de pura e simples demagogia.
 A construção de um país soberano perpassa pelo fortalecimento da educação pública e não com a adoção de medidas de favorecimento a rede privada de ensino, como é o caso do PROUNI e PRONATEC, programas do governo federal que inclui a destinação de mais recursos públicos para a manutenção da educação como mercadoria. Isso se evidencia com a assustadora expansão das instituições de ensino superior pagas.
Vale ressaltar que esse ano houve um corte de R$ 3,6 bilhão na educação pública, num total de cortes que ultrapassa os R$ 50 bilhões das áreas sociais. Tudo isso para manter o famigerado pagamento da dívida pública, que amplia os lucros dos banqueiros e especuladores.
A UFRB, assim como todas as universidades públicas brasileiras, está se expandindo. A cada ano, novos cursos são criados, mais vagas são ofertadas. O que, aparentemente é algo muito bom, não se revela tão bom assim à medida que essa paralisação evidencia o caos estabelecido hoje em uma universidade com apenas 6 anos de criação, mas que é cotidiano à toda comunidade acadêmica.
Essa expansão é fruto de um processo de reestruturação das universidades para atender uma demanda politiqueira, por isso mesmo são decisões vindas de cima para baixo, sem um debate amplo com toda comunidade, a citar a autorização de implantação de um campus em Feira de Santana-BA, onde a decisão partiu do Governo Federal sem levar o assunto à toda comunidade. Isso porque há uma adoção de uma lógica que visa otimizar os recursos destinados a universidade, democratizando o acesso sem garantir a permanência, abertura de novos cursos sem contratação de professores efetivos (prejudicando a pesquisa e a extensão), sem aumento estrutural dos laboratórios e da Biblioteca, Restaurante Universitário e Residência.
O resultado dessa política se evidencia com a proposta do novo Plano Nacional de Educação, que não garante a destinação dos 10% do PIB para Educação, que aumenta as Parcerias Público-Privadas e não prevê destinação de verba específica para a Assistência Estudantil, exatamente no momento em que o perfil do estudante começa a mudar devido a implementação do Sistema de Cotas.
O Movimento Estudantil da UFRB está ciente que a greve como instrumento de luta é o último recurso. Assim, responsabilizamos única e exclusivamente a administração da universidade pela paralisação.  Desse modo, nós, estudantes, na tentativa de mudança do cenário que vivemos hoje na universidade brasileira, resolvemos paralisar para mobilizar. Nessa Assembleia Geral ficou claro que as condições de educação na UFRB não condizem com o que precisamos para nos tornar profissionais qualificados e preparados para atuar em prol de uma sociedade justa e igualitária, que atenda às necessidades do povo, quando em contraste visual deliberamos por paralisarmos todas as atividades da nossa universidade por tempo indeterminado.
Diante de todos esses acontecimentos em nossa universidade e no cenário nacional da educação salientamos que esta é uma luta de tod@s aqueles que acreditam que a educação no Brasil deve ser vista como prioridade e não com descaso.  Por isso, decidimos dizer: chega de migalhas! Essa luta não é só de quem esteve presente na assembléia ou de quem ocupa os campi e a reitoria, é dos cerca de 8 mil estudantes matriculados na UFRB e de toda a sociedade brasileira.
Defendemos uma universidade que atenda os interesses do povo, independente e autônoma, democrática e 100% pública!

Comando de Paralisação
01 de setembro de 2011

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Convocação de Assembléia Geral Extraordinária



O CAUB convoca tod@s @s estudantes do curso de licenciatura em história da UNIJORGE a participarem da Assembléia Extraordinária marcada para próxima segunda feira, dia 05/09, com início às 18h, na sala do 1º e 2º semestre, localizada no nível 7, Campus Comércio(Prédio 2), a fim de deliberarmos sobre vários assuntos de interesse de tod@s @s estudantes em caráter urgente.
Nessa assembléia discutiremos o Colegiado e seu formato, processo eleitoral do CA e Colegiado, acúmulos, esclarecimentos e demandas, o que ocorrer.

Contamos com a presença de tod@s!

Simpósio de História UCSal



Mais informações: www.viisimposiohistoria.com

Minicurso "Estudos Africanos - Relações Índia e África”

O Centro de Estudos Afro-Orientais (CEAO) e o Programa de Intercâmbio Sul-Sul para a Pesquisa da História do Desenvolvimento (Sephis) realizam o minicurso "Estudos Africanos - Relações Índia e África”, de 13 a 15 de setembro, das 18 às 21h, na sede do CEAO, Largo Dois de Julho. O evento é gratuito. Os interessados devem se inscrever pelo e-mail: alyxandrasephisbrasil@gmail.com.
A professora Renu Modi, da Universidade de Mumbai, ministrará as aulas do curso que faz do programa Lecture Tour, ciclo de palestras sobre tema relevante para os Estudos Africanos no Brasil. No minicurso, dará especial atenção às relações entre Índia e África e também ao que concerne às migrações de africanos e relações raciais.
Um pouco sobre a palestrante – Renu Modi é pesquisadora sênior do Centro de Estudos Africanos da Universidade de Mumbai, na Índia. É cientista política graduada pelo Lady Shri Ram College for Women, em Nova Delhi. Seus livros são: Beyond Relocation: The Imperative of Sustainable Resettlement e South-South Coopertion: Africa on the Centre Stage. Além disso, já publicou sobre relações econômicas entre Índia e África numa perspectiva tanto histórica quanto contemporânea e trabalhou como consultora para desenvolvimento social para o Banco Mundial em 2005.

Minicurso: Estudos Africanos – Relações Índia e África
Quando: 13, 14 e 15 de setembro, das 18 às 21h
Onde: CEAO, Largo Dois de Julho
Quanto: Gratuito
Mais informações: alyxandrasephisbrasil@gmail.com / (71) 8724-6364

Fonte: CEAO

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

III Seminário A urbanização de Salvador em três tempos: Colônia, Império e República

(Casarões que se situavam no
 Comércio e foram derrubados
para o desenvolvimento da região)
Inscrições gratuitas pelo e-mail: seminario@ighb.org.br (necessário nome completo, instituição, e-mail e endereço). Doe fraldas geriátricas para o Lar Irmã Maria Luiza. Caso haja desistência da inscrição, favor informar a coordenação do evento.

Terça-feira 13 de setembro de 2011
13h – Credenciamento
13h50 - Abertura Oficial
14h - Palestra: Aterros de Salvador: um processo histórico – Prof. Dr. Marcos Paraguassú de Arruda Câmara (FAUFBA)
14h50 - Palestra: Hospital São Cristóvão dos Lázaros: Entre os muros da exclusão – Profa. Msc. Marcia Elizabeth Pinheiro (PPGAU-UFBA)
15h40 - Debate
16h00 - Intervalo
16h15 - Palestra: O Celeiro Municipal de Salvador (1785-1866) – Prof. Dr. Afrânio Simões Filho (PPGH-UFBA)
17h10 - Palestra: O abastecimento de carne verde em Salvador no século XIX – Prof. Msc. Rodrigo Freitas Lopes (IAT-SEC)
Debate e encerramento
18h - Lançamento da coletânea A Urbanização de Salvador em Três Tempos: Colônia, Império e República - textos críticos de história urbana. Vols. I e II

Quarta-feira 14 de setembro de 2011
14h - Palestra: Mendigos e Vadios na Salvador do Século XIX – Prof. Dr. Walter Fraga Filho (UFRB)
14h50 - Palestra: O inimigo invisível: epidemia na Bahia no século XIX – Prof. Msc. Onildo Reis David (UEFS)
15h40 - Debate
16h00 - Intervalo
16h15 - Palestra Hospedagem, serviços e atrativos para os viajantes estrangeiros na Bahia oitocentista – Profa. Msc. Olívia Biasin Dias (PPGH-UFBA)
17h10 - Palestra: Salvador: "uma cidade que nada tenha a invejar" - considerações sobre alguns aspectos entre a atuação de Luiz Tarquínio como Intendente Municipal e a criação da Vila Operária da Boa Viagem – Profa. Msc. Marilécia Oliveira Santos (UNEB)
18h - Debate e encerramento

Quinta-feira 15 de setembro de 2011
14h - Palestra: Aguaceiro da Modernidade a Cidade do Salvador (1935-1945) – Prof. Dr. Jorge Almeida Uzêda (UNIFACS / IFBA)
14h50 - Palestra: A Maternidade Climério de Oliveira e a Nova Medicina da Mulher na Bahia Republicana (1910-1927) – Prof. Msc. Marivaldo Cruz do Amaral (UFRB)
15h40 – Debate
16h - Intervalo
16h15 - Palestra: O Problema Habitacional da Cidade do Salvador: 1920-1940. – Prof. Dr. Erivaldo Fagundes Neves (UEFS)
17h10 - Palestra: O abastecimento de água em Salvador: da Companhia do Queimado à EMBASA – Prof. Esp. Jaime Nascimento (PPGAU-FAUFBA).
18h - Debate e encerramento

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Abertas inscrições para 9º edição do ENUDS

Estão abertas as inscrições do IX Encontro Nacional Universitário sobre Diversidade Sexual – ENUDS, nas categorias: participante, mostras artísticas nas modalidades: Artes Cênicas, Cinema e Vídeo, Artes Visuais e mostra Literária; e apresentação de trabalhos, nas modalidades: comunicação oral, pôster, oficurso e relato de experiência. Entre os eixos temáticos estão, a questão étnico-racial, religiosidades, juventudes, feminismos e lesbianidades, entre outros.
As inscrições na modalidade participante/ouvinte poderão ser realizadas através do e-mail nonoenuds@gmail.com. Para tanto o interessado deverá  preencher a ficha da inscrição disponível juntamente com o edital e enviá-lo para o respectivo e-mail até a data limite de 10 de novembro. O valor da taxa de inscrição será divulgado até o dia 15 de setembro.
As informações sobre o procedimento para as inscrições nas modalidades “mostras artísticas” e “apresentação de trabalhos”, se encontram disponíveis no edital de inscrições. Para acessar o edital clique aqui. Os trabalhos aprovados serão divulgados até o dia 10 de outubro. Atenção aos e-mails diferentes para cada categoria de trabalho.
O 9º ENUDS ocorrerá de 11 a 15 de novembro, na Universidade do Estado da Bahia, no campus I, em Salvador. Este ano, o encontro tem como objetivo discutir sobre as temáticas de raça e religião abrangendo a promoção da cidadania LGBT e o respeito à diversidade sexual. O encontro também discutirá a aproximação entre a universidade e os movimentos sociais.

CEAO abre inscrições para curso de iorubá

O Centro de Estudos Afro-Orientais (CEAO) está com as inscrições abertas para o curso de língua e civilização iorubá. As aulas ocorrerão todas as terças-feiras, das 18h30 às 20h30, a partir de 13 de setembro, e serão ministradas pelo professor Ayawale Ayo Olayanju, dirigente da Casa da Nigéria na Bahia.
O curso de iorubá é voltado para estudantes, professores e comunidade em geral. Durante três meses, os participantes terão noções básicas do idioma. Os interessados devem efetuar a matrícula na sede do CEAO, no Largo Dois de Julho.
 


Curso: Iorubá (Nível básico)
Quando: 13 de setembro a 13 de dezembro, das 18h30 às 20h30
Onde: CEAO - Pç. Inocêncio Galvão, 42, Largo Dois de Julho
Mais informações: (71) 3283-5512

Fonte: CEAO

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Reitor da UCSAL aprofunda as medidas para mercantilizar a Universidade.

Alan Brandão de Morais 
CAHCAM 
Coletivo Carcará

Este texto vem denunciar os desmandos realizados pelo REItor da UCSAL, José Carlos de Almeida, que há quase 30 anos se apodera do gabinete máximo da Universidade Católica e realiza reformas sem consulta à comunidade acadêmica ou reunião dos conselhos universitários objetivando a construção de uma universidade mercantil e sem qualidade acadêmica.

Para este semestre o REItor intensificou as suas ações demitindo diversos professores que possuiam histórico de oposição à reitoria sem justa causa. Estes professores foram sumariamente cortados da folha da universidade como parte da limpeza ética realizada pela Reitoria há anos para minar a oposição que poderia surgir dentro dos cursos que não estão nos seus planos de reestruturação mercantilista da UCSAL. Professores doutores, Pós-doutores, referências nas suas áreas de atuação foram demitidos, repito, sem justa causa, por discordarem abertamente da atuação anti-democrática da Reitoria, sem respeito à cátedra e sem considerar o ganho qualitativo na contribuição desses professores na construção do curso e da Universidade.

Além disso, foram aprovados no último dia 04 de agosto, “Ad referendum” (sem consulta ao conselho superior ou ao conselho de ensino e pesquisa, orgãos máximos de deliberação da Universidade), os atos Nº 243, 244 e 245. O ato Nº 243 permite aos estudantes a matricula em disciplinas que possuam pré-requisitos, como procedimento de “flexibilização curricular”. O ato Nº 244 trata das novas regras para a elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso, onde a defesa de tese junto à banca examinadora não é mais requisito para a colação de grau, sendo o trabalho avaliado pelo próprio orientador. Por fim, o ato Nº 245 regulamenta como política institucional a matricula de disciplinas em Módulo, disciplinas semi-presenciais.

A primeira vista pode parecer que tais regras auxiliam aqueles estudantes que querem se formar rapidamente e realmente o fazem. Mas o custo dessa formação rápida é a perda da qualidade acadêmica e o objetivo de tais políticas é a “limpeza acadêmica” da Universidade Católica do Salvador. Os atos 243 e 245, apesar de funcionarem para todos os cursos, atacam diretamente os cursos de Licenciatura que há muito estão “capengando” pela falta de alunos e de interesse político da UCSAL em reeguer os cursos e retomar a qualidade do passado. São os tiros de misericórdia nesses cursos, pois, ao fornecer dispositivos legais para a rápida formação, se exime da responsabilidade de investir na qualidade dos cursos e na sua continuidade, dando um gás na extinção destes cursos – E qual a validade da graduação em um curso extinto?

O Ato 245 é igualmente revoltante, pois nos retira a oportunidade de avaliação dos resultados das nossas pesquisas de graduação, porta de entrada na vida acadêmica. O que se pode esperar da qualidade de um trabalho que é avaliado única e simplesmente pelo orientador? Este Ato serve apenas para cortar gastos com o pagamento dos professores das diversas bancas (quantia em torno de R$ 500,00 por professor mais os gastos com viagens), uma atitude tacanha para uma instituição que se considera “a comunidade do conhecimento”.

Estas foram apenas as ultimas ações tomadas pela Reitoria que, somadas à soma dos vários anos de política mercatilista da Reitoria, apenas acumulam mais revolta e indignação em todos os membros dessa fajuta “comunidade do conhecimento”. O imperativo que se coloca diante de nós agora é a mobilização contra os ataques mercatilistas realizados pela reitoria. Todos os meios de diálogo foram fechados pelo próprio reitor, não existe democracia interna na UCSAL e intransigência só se responde com intransigência. A luta pela UCSAL que queremos deve se iniciar agora enquanto ainda resta algum folêgo antes do tiro de misericórdia.
Fonte: CAHCAM

Faça sua parte, doe sangue!


Nos dias 30 e 31/08, das 08h às 15h, o Hemóvel tem parada obrigatória no estacionamento do prédio I, nível 4, campus Paralela, para a campanha de doação de sangue do Hemoba. A iniciativa é fruto da parceria do Núcleo de Responsabilidade Corporativa da UNIJORGE com o Hemoba. Participe!

Fonte: UNIJORGE

Cancelamento da reunião sobre colegiado/eleições

Comunicamos aos alun@s do curso de história o cancelamento da reunião que teríamos hoje, dia 30/08, às 18h, devido à ausência da Coordenadora Fernanda. Um de seus familiares faleceu, desta forma resolvemos remarcar a reunião para quinta feira, dia 01/09, às 18h.

Saudações históricas!

Revista Práxis

Aberta a chamada para publicação:
A Revista Práxis, de História e Cultura, abre chamada pública para o seu sexto número. Artigos científicos, resenhas,  ensaios e entrevistas poderão ser publicados nesta edição. Os trabalhos poderão ser enviados até o dia 31 de agosto. Maiores informações no endereço: www.unijorge.edu.br/praxis, ou através do e-mail revistapraxis@unijorge.edu.br. Confira o edital.

Fonte: UNIJORGE

Sobre o lançamento do livro “João Cândido – A Revolta da Chibata”, do Paulo Ricardo de Moraesdo

O Centro Acadêmico dos estudantes de história da UNIJORGE, União dos Búzios, agradece a paciência e apoio de tod@s @s estudantes e professor@s do Campus Comércio/Paralela que marcaram presença na atividade.
Infelizmente não conseguimos ter o espaço do 2º nível como esperávamos devido à falta de organização e burocracias institucionais, mesmo com a atividade sendo de conhecimento da coordenação. Apesar de todos os pesares, da falta de informação dos funcionários, falta de um microfone, falta de espaço, dentre outras problemáticas, a atividade foi super proveitosa. Deu tudo certo e seguimos em frente!
Aproveitamos a oportunidade para cobrar, juntamente com os estudantes, um espaço digno e organizado para realizarmos eventos no Comércio, já que a maioria dos estudantes do curso de licenciatura em história está nesse Campus.
O CAUB agradece também ao camarada Paulo Ricardo de Moraes por ter se disponibilizado gratuitamente em fazer atividade, enriquecido o conhecimento para além daquilo que nos é cobrado pela academia, como um exemplo de vida, força e perseverança.
Aqueles que tiverem interesse em fazer aquisição do livro, segue o email da Oxente Tchê Comunicação e Marketing: otcomunica@gmail.com. Em caso de dificuldade, liguem para 71 81957279, falar com Humberto Manuel. No CA, procurem Rafaela Giffone através do número: 71 93005698.
IMPORTANTE:
Hoje, dia 31/08/2011, às 18h, temos reunião para discussão do Colegiado e eleições do para posse da nova gestão de CA. Participem!

Jean Wyllys faz palestra na UNIJORGE

Para conhecimento da estudantada histórica:

O deputado federal Jean Wyllys vai participar de palestra sobre política brasileira e movimento LGBT, na Unijorge (Paralela), dia 5 de setembro, às 9h, no Auditório Zélia Gattai, com o tema “A política brasileira e o movimento LGBTT”.  Jean Wyllys vai apresentar as ações que realiza no Congresso Nacional e contar sobre sua mobilização para a aprovação do Projeto de Lei Complementar 122 (PLC-122/06), que pretende criminalizar a homofobia no país.
Jean Wyllys, que também é jornalista, já foi professor da instituição e é a primeira vez que volta à Unijorge após ter assumido o mandato de deputado federal.
O evento faz parte da abertura do Projeto Interdisciplinar dos cursos de Comunicação Social da faculdade.


Fontes: BahiaTodoDia, PSOL50, PolíticaLivre, dentre outros acessos.

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Lançamento do livro “João Cândido – A Revolta da Chibata”, do Paulo Ricardo de Moraes, na UNIJORGE



Segue abaixo informações sobre o lançamento no dia 26 de agosto de 2011, na sede do Bloco Afro Ilê Aiyê:

Jornalista gaúcho lança livro em Salvador

“Aqui neste convés, o nosso colega Marcelino recebeu 250 chibatadas, e nós fomos obrigados a assistir a esse espetáculo degradante. O baiano ainda se encontra recolhido ao seu beliche, com muitas dores e febre, mas devemos estar preparados para isso. (...) Custe o que custar, mesmo tendo que matar milhares de pessoas e deixar em ruínas a nossa capital, Marcelino Rodrigues Menezes será o último marinheiro chicoteado em um navio brasileiro”, trecho de João Cândido, o Almirante Negro.
No dia 26 de agosto de 2011 (sexta-feira) acontece o lançamento do livro João Cândido – A Revolta da Chibata, do jornalista, poeta e escritor gaúcho Paulo Ricardo de Moraes, na sede do Bloco Afro Ilê Aiyê, na Senzala do Barro Preto, Curuzu, na Liberdade, em Salvador, às 19h. A Roda de Diálogo terá a participação da jornalista Céres Santos do CEAFRO, programa do Centro de Estudos Afro-Orientais (CEAO) da UFBa.
 A obra aborda a trajetória do Almirante Negro sob o comando da Revolta da Chibata, no dia 22 de novembro de 1910, no Rio de Janeiro, o extraordinário acontecimento político e social. O livro teve sua primeira edição lançada em 1984. Em 2010, a convite da Prefeitura Municipal de Porto Alegre, em cumprimento da lei 11.645/08, foi reeditado, atualizado e revisado com intuito de ser distribuído gratuitamente nas escolas da rede municipal para discutir sobre o tema com alunos e professores da comunidade escolar, e assim conhecer melhor a sua história.
 João Cândido nasceu em 1880, filho de cidadãos ainda escravizados, em Rio Pardo, no Rio Grande do Sul, e morreu em 1969. O Almirante Negro, como ficou conhecido, foi o homem capaz de liderar uma revolta que sacudiu as bases da estrutura reacionária e ainda escravagista do Brasil. A literatura, através deste livro, tem como foco o resgate histórico, social e antropológico, sendo de suma importância para a vida social e pessoal, pois estimulam a formação integral do indivíduo, tornando-o capaz de criticar o mundo que o cerca.
 A iniciativa, que conta com o apoio do Ilê Aiyê, da SEPROMI (Secretaria de Promoção da Igualdade Racial da Bahia) e do Sincotelba (Sindicato dos Trabalhadores em Correios da Bahia), é uma realização da empresa Oxente, Tchê! Comunicação e Marketing.
 Sobre o Autor
Paulo Ricardo de Moraes, jornalista, escritor e poeta gaúcho, mais conhecido como baiano junto à comunidade negra. Trabalhou em diversos veículos da área de comunicação no estado do Rio Grande do Sul, como os jornais Zero Hora, Correio do Povo, e as rádios Guaíba, Pampa e Farroupilha. Atualmente trabalha na Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Porto Alegre.
Em poesia publicou Negro Três Vezes Negro, com Jaime Silva e Ronald Tutuca e O Garçom e o Cliente, com Paulo Naval, além de EUNUCO, individual. Participou de várias coletâneas de contos nos Cadernos Negros de São Paulo. Em teatro escreveu a peça Carnaval, já lida publicamente.
João Cândido, biografia pela Editora Tchê e uma segunda versão deste livro publicada pela Secretaria Municipal da Cultura.
Na área audiovisual, dirigiu o vídeo Da Colônia Africana à Cidade Negra, que participou das mostras competitivas dos festivais de Salvador, Vitória, Cuiabá, e Havana (Cuba) e roteirizou os curtas metragens A Um Gole da Eternidade, Chic e Choc e O Velho e Bar.

domingo, 21 de agosto de 2011

19 de Agosto: dia do Historiador. O que temos a comemorar?

Em dezembro de 2009 foi aprovada a lei nº 12.130, que “institui o dia nacional do historiador, a ser celebrado anualmente no dia 19 de agosto”. Afinal somos reconhecidos frente à sociedade! Será?
Um pouco de contexto:
Em agosto de 2009 é proposto no Senado o Projeto de Lei 360 que visa regulamentar a profissão de historiador. Nesse projeto vemos a ausência de uma concepção explícita de historiador, a qual não nos impede de identificar a idéia que perpassa todo o texto do projeto: o historiador é aquilo que o mercado de trabalho quer que ele seja. Não importa aqui se o conhecimento a ser produzido será transformado em mercadoria e privilégio de poucos, não importa aqui se o historiador estará sendo utilizado para gerar mais lucro para empresas, não importa qual é a demanda social existente. O que importa é que o mercado de trabalho existe, e é melhor reservá-lo antes que alguém o ocupe.
Em junho de 2010 vemos uma outra medida que aponta para uma concepção de historiador cada vez menos crítica e mais voltada para o mercado de trabalho. Surge um ofício circular do MEC que determina a dissociação obrigatória entre bacharelado e licenciatura em todos os cursos onde essas habilitações ainda se mantém unidas. Na contramão da autonomia universitária – garantia constitucional -, a indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão – garantida pela LDB – e todos os estudos do campo da história que apontam, desde a década de 70, para a importância da formação do professor pesquisador, essa medida nefasta precariza a formação que tende a se tornar cada vez mais técnica, voltada ao mercado de trabalho.
Em nosso campo profissional, cada vez mais sofremos com a flexibilização dos contratos, perda de direitos e completa desvalorização da profissão de professor – nossa principal área de atuação.
Frente a isso cabe a nós perguntar: o que há para se celebrar nesse 19 de agosto? Esse dia, uma aparente valorização da profissão de historiador, visto a luz de outras medidas colocadas hoje nos apontam para a valorização de uma determinada concepção de historiador – aquela voltada para o mercado de trabalho. Não queremos um dia para comemorar uma profissão mercantilizada. Reafirmamos a necessidade de uma formação e intervenção crítica do historiador em nossa sociedade. Assim, convocamos todos e todas as estudantes de história a realizar atividades no dia 19 de agosto – não de comemoração passiva – mas de questionamento ativo das atuais condições de trabalho do historiador. O formato das atividades fica sob a responsabilidade de cada escola – podem ser mesas, grupos de debates, discussão de filmes, intervenções artísticas, etc – que deve pensar a melhor forma de problematizar os dilemas da profissão de historiador hoje em mundo do trabalho cada vez mais precarizado.
No dia 19 de agosto questionaremos a realidade posta para celebrar nossas lutas!
Material a ser distruibido:

Fonte: FEMEH

quinta-feira, 5 de maio de 2011

A violência na UNIJORGE não pode passar em branco

Nairobi Aguiar, estudante do curso de Licenciatura em História da UNIJORGE, foi agredida com um tapa na cara por um colega de curso da mesma faculdade.
O agressor exercia a função de apoio em um Simpósio do curso, realizado nas dependências da instituição, no dia 27 de abril de 2011.
A ação individual deste homem contra esta mulher é o reflexo de uma sociedade patriarcal, sexista, machista, desde sempre propagada nos lares brasileiros, e que, fatalmente e infelizmente, veio a ocorrer dentro de uma instituição, cujo papel é a construção do saber e a formação de cidadãs e cidadãos.
Por conta disto o C.A. convoca a comunidade acadêmica para acompanhar a sindicância de apuração dos fatos, cobrando atitudes cabíveis junto à UNIJORGE, para garantir a integridade moral e física da estudante Nairobi Aguiar e das demais testemunhas da agressão, e para que atos violentos como este não venham a se repetir nesta instituição.
Nós, Centro Acadêmico dos estudantes de História, União dos Búzios, repudiamos toda e qualquer forma de agressão. Não aceitamos que a divergência de idéias que havia entre o Centro Acadêmico e a coordenação do curso de história, seja caracterizada como politicagem. Pois, sendo o C.A. um interlocutor legitimo dos estudantes, tendo como objetivo, defender os direitos destes e trabalhar em prol da melhoria da qualidade do curso, é inadmissível que essa divergência seja utilizada como pretexto para justificar atos covardes como este.

Centro Acadêmico dos estudantes de História União dos Búzios.

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Carta aberta ao Movimento Negro em geral e ao Movimento de Mulheres Negra, em particular.

Por Nairobi Aguiar,

Comunico às organizações de Movimento Negro e demais Movimentos Sociais e, em especial, às irmãs que compõem as organizações de movimento de Mulheres Negras, que eu, estudante do quinto semestre de Historia UNIJORGE – Centro Universitário Jorge Amado-  fui agredida com um tapa na cara por um estudante que compõe a organização do Simpósio de História “Pesquisa histórica na Bahia” na referida faculdade.
Fui agredida fisicamente (com um tapa na cara!) por um homem branco, estudante, como eu, do 5° semestre do curso de história da UNIJORGE – Centro Universitário Jorge Amado. Enfatizo esse dado, por sabermos que o racismo e o machismo se articulam o tempo todo, para impedirem que pessoas como eu (preta “estilo favela!”) possam representar uma pequena minoria do curso de história (brancos, e classe média). Atualmente ocupo a posição de Coordenadora Acadêmica do Centro Acadêmico União dos Búzios, representação legítima dos estudantes do curso de história dessa Instituição.

Inicialmente, estávamos organizando com a coordenação do Curso de História uma atividade acadêmica (o simpósio de história); Entretanto, da noite pro dia fomos retirados da organização com a explicação de que o evento não deveria ter envolvimento do movimento estudantil, por parte um dos palestrantes, e que não iríamos assinar os certificados por quem estava organizando era a instituição.

Quando chegamos, no dia anterior ao fato, encontramos esse grupo de estudantes com a camisa da organização do evento (que até então era da universidade), fizemos algumas intervenções falando sobre a institucionalização da atividade do movimento estudantil e sobre a apropriação intelectual da atividade. (Tudo isso causou incômodo à organização do evento – Coordenação e estudantes envolvidos no processo)

Quando cheguei à atividade, no dia seguinte, fui impedida de assinar a lista de presença, que me legitimaria ganhar o certificado de carga horária do evento. Todas as pessoas assinaram, quando chegou a minha vez a organização da atividade recolheu a lista, e eu perguntei num tom alto no meio da palestra: ‘por que vou assinar a lista lá fora, já que todos assinaram aqui dentro?’ Na mesma hora todo mundo parou e me olhou... Esperei o evento acabar e chamei a coordenadora do curso pra pedir explicação, a mesma não deu atenção, acabei não comunicando sobre o ocorrido. Quando sai do evento me dirigi até o LUCAS PIMENTA (o agressor) e perguntei: ‘posso assinar a lista?’ Ele disse: “você é muito mau educada!”, eu o interrompi e falei, ‘não quero te ouvir, só quero saber se posso assinar, caso contrario vou conversar com a coordenação’. E ele disse: “Você ta tirando muita onda, não é de agora que eu to te aturando!” E me deu UM TAPA NA CARA! Quando eu falei que Eu sou oriunda do Movimento Negro, do Movimento de Mulheres Negras, e que não ia deixar barato que ia acionar a Lei Maria da Penha pra ele, ele se curvou e foi segurado pelos colegas enquanto tentava me dar murros.

Ao dizer “você ta tirando muita onda”  e em seguida me agredir o Sr Lucas Pimenta  revelou um sentimento de insatisfação, não apenas dele, isoladamente, mas de muit@s outr@s diante do fato de eu ser Coordenadora Acadêmica no CA de História da Jorge Amado. O fato de estarmos adentrando o espaço acadêmico, por si só, já fez membros da elite branca sentirem-se ameaçados. Mas, esse tapa na cara ocorre em retaliação a um fato mais insuportável ainda, para Lucas e demais membros da elite racista desse país: sou Negra “favelada”, jovem e o represento, em um espaço que o projeto genocida de Estado brasileiro historicamente  reservou para os branc@s.                 
Por essas razões, conclamo meus irmãos e em especial às minhas irmãs para amanhã, na extensão desta atividade, manifestarmos politicamente a nossa indignação e repulsa, diante desse caso inequívoco de machismo e racismo.

Onde? Centro Universitário Jorge Amado – UNIJORGE (Paralela)
Concentração: 18h, praça de alimentação.

terça-feira, 12 de abril de 2011

Simpósio de História



Informamos que o evento passou até a inscrição gratuita com direito a certificado veja no link:

http://www.unijorge.edu.br/noticia_exibir.asp?cod=618


Informações:
Flavio Carvalho (Coordenador Financeiro): 71 81849551
Jackson Mauricio (Coordenador de Comunicação): 71 82369425
Nairobi Aguiar (Coordenadora Acadêmica): 71 81256549
Rafaela Giffone (Coordenadora Política): 71 82062631
Coordenação do Curso de História: 71 32068084

sexta-feira, 8 de abril de 2011

A Prefeitura Municipal de Pojuca-BA (www.pojuca.ba.gov.br/), abre inscrições para o concurso destinado ao processo seletivo simplificado de candidatos para o preenchimento de vagas do seu quadro pessoal.
São 70 vagas para os seguintes cargos: Assistente Social, Enfermeiro - CAAB, Enfermeiro - PSF, Farmacêutico, Fisioterapeuta, Médico PSF, Médico Cardiologista, Médico Cirurgião Geral, Médico Clínico Geral Intensivista - CAAB, Médico Dermatologista, Médico Endocrinologista, Médico Gastroenterologista, Médico Mastologista, Médico Neurologista, Médico Oftalmologista, Médico Otorrinolaringologista, Médico Pediatra, Médico Pneumologista, Médico Ultrassonografista, Médico Urologista, Médico Veterinário, Nutricionista, Odontólogo, Psicólogo e Terapeuta Ocupacional. O salário varia de R$ 1.402,76 a RS 4.000,00.
As inscrições podem ser realizadas até o dia 15 de abril de 2011, no CEAAP - Centro de Aprendizagem e Aperfeiçoamento Profissional, situado na Travessa Antônio Batista, s/n - Nova Pojuca, no horário das 9h às 12h e das 13h às 15h, ou pelo site http://www.planejarconcursos.com.br/. A taxa será de R$ 100,00.
As provas serão realizadas no município de Pojuca com data prevista para o dia 15 de maio de 2011. O prazo de validade do concurso será de 2 anos podendo ser prorrogado pelo mesmo período.

Clique e confira o Edital.
Fonte: PCI - Concursos.

IMPORTANTE

Interessado a ANPUH:
• Solicitamos aos alunos de história da Paralela que procurem aos membros do CA para assinar a lista da ANPUH. Já temos a lista do Comércio, resta apenas a da Paralela.
O CA está tentando a liberação do ônibus via a instituição, mas, caso não haja uma resposta positiva, conseguiremos de outras formas, como no EREH, por exemplo.

Eleições do Colegiado:
• Será aberta as inscrições e eleição do Colegiado mediante a assembléia. Estamos dialogando com a coordenação o melhor dia para realizarmos a reunião com liberação de uma sala ou auditório. Indicativo de local e data, provavelmente dia 20 de abril no Campus Comércio, a ser confirmado ainda essa semana.
Faz-se necessário a presença de todos, sem exceção. Lá explicaremos como funcionara o processo e a importância do Colegiado como representação estudantil na instituição.
Neste mesmo dia será realizado um sorteio de um livro para arrecadação de fundos ao caixa do CA.

Sobre o Simpósio:
• As inscrições do Simpósio “A pesquisa Histórica na Bahia” serão realizadas neste blog ou presencialmente na sala de vidro (mais conhecido como aquário), ao lado da coordenação de história, com os membros do CA. Logo postaremos o link de inscrição e mais detalhes sobre o evento. O valor dos três dias da atividade é de R$ 10,00 (dez reais) com direito a certificado.

Apoiadores do Simpósio:
• Será realizada na próxima semana uma convocatória aos apoiadores do Simpósio “A pesquisa Histórica na Bahia”. Estamos negociando com a coordenação carga horária diferenciada e redução/isenção da inscrição na atividade. Ainda essa semana postaremos o dia e o horário do encontro.

Acompanhe o blog do CAUB e fique atento as novidades!
Saudações estudantis!

Inscrições para o II EREH-NE em Sergipe


Pessoas históricas,

O CAUB-UNIJORGE, conseguiu vagas no ônibus do CAHCAM-UCSAL para ir ao II EREH-NE em Sergipe.
Como ficou acordado no Diálogo Histórico, segue as informações do EREH. Interessados, favor procurar o Centro Acadêmico União dos Búzios o mais rápido possível.

Valores e Prazos:
Ônibus - O valor cobrado para o ônibus é de R$50,00 (cinqüenta reais).
Inscrição - De 01 de abril a 12 de Abril de 2011:
             Inscrição sem alimentação: 50,00
             Inscrição com alimentação: 70,00

- Prazo para inscrição com apresentação de trabalho 08 de abril de 2011
- Resultado dos aceites dos trabalhos enviados 12 de abril de 2011

Como se inscrever?
1) Baixe a Aqui a ficha de inscrição
2) Preencha todos os dados solicitados corretamente.
3)   Realizar depósito NOMINAL (na boca do caixa) no valor do tipo de inscrição escolhido na seguinte conta
:
Banco do Brasil,
Titular:Rafael Coelho Santana
Agência: 5657-X                  
Conta Poupança: 22.537-1                         
Variação: 01
4) Enviar em anexo o comprovante de depósito digitalizado (escaneado) para o email: ereh2011.inscricao@gmail.com , JUNTAMENTE COM SEU NOME E RG.
5) Esperar confirmação da inscrição, que será enviada para o endereço de email informado no formulário de inscrição.

Obs: Para evitar transtorno guarde o comprovante de depósito, pois será necessário para o credenciamento do encontro.

Mais informações:
Blog do II EREH-NE: www.iierehnese.blogspot.com/
Mini-cursos: www..iierehnese.blogspot.com/p/mini-cursos-oficinas.html
Programação: www.iierehnese.blogspot.com/p/programacao.html

sábado, 2 de abril de 2011

Proposta entregue a coordenação do curso

O Centro Acadêmico dos Estudantes de História /UNIJORGE, União dos Búzios, vem através desse documento sugerir e encaminha a coordenação do curso de história, a senhora Fernanda Reis, uma reformulação na grade curricular, assim como cursos de extensão correspondente a algumas disciplinas consideradas de fundamental importância para a qualidade do curso.

Levando em consideração que essa foi uma reivindicação estudantil pautada em reunião, e estabelecido com a Senhora Midian – Coordenadora acadêmica da UNIJORGE e a senhora Fernanda Reis – coordenadora do curso de história, assim como o C.A. Encaminhamos abaixo proposta de disciplinas a serem incluídas na grande, assim como curso de extensão.

Obs. Propostas feitas pelos estudantes do Comércio, estudantes da Paralela e o Centro Acadêmico.

Proposta de disciplinas a serem inclusas na grade curricular:
  • Tópico em antropologia;
  • Movimentos sociais no Brasil;
  • Arquivologia;
  • Tópicos especiais: Autonomia dos estudantes se matricularem em disciplinas de sua área correspondente, independente do curso;
  • História da Arte geral e brasileira;
  • Teorias sociológicas/ filosóficas;
  • Tópicos especiais: Inclusão de disciplinas de outros cursos na sua grade curricular.

Proposta de disciplinas a serem trabalhadas como curso de extensão:
  • Paleografia;
  • Movimentos sociais no Brasil;
  • Metodologia do Trabalho Científico;
  • Linguagens e representações no Ensino de História;
  • Ditaduras na Bahia;
  • História das religiões;
  • História do nordeste;
  • História da cidade de Salvador.

Os alunos do curso de licenciatura em história da UNIJORGE, juntamente com o C.A., entendem que um curso sem as disciplinas citadas acima é extremamente fragilizado. Solicitamos uma avaliação da proposta e aguardamos uma resposta positiva, visto que, atualmente, pagamos o valor mais caro do curso em todo o Norte-Nordeste.
Pedimos também que as disciplinas a serem trabalhas como curso de extensão sejam liberadas para os futuros formandos da turma do 6º semestre 2011.1, mesmo que as disciplinas sejam dadas quando formados (2º semestre, no caso), pois eles também foram prejudicados com as disciplinas mal administradas citadas neste documento.

Atenciosamente,
Estudantes do curso de licenciatura em história/UNIJORGE
CAUB – Centro Acadêmico dos Estudantes de História/UNIJORGE, União dos Búzios

Expediente: Flavio Pereira (Coord. Financeiro), Verônica Nairobi (Coord. Acadêmica), Rafaela Giffone (Coord. Política), Jackson Mauricio (Coord. Comunicação).  

2° Pré-EREH, dia 02 de abril de 2011

terça-feira, 22 de março de 2011

Nota de Repúdio

Nós estudantes do curso de Licenciatura História do Centro Universitário Jorge Amado, repudiamos o comportamento desta instituição que novamente de forma antidemocrática e sem aviso prévio aplica um reajuste na mensalidade do curso. Neste semestre 2011.1 o aumento foi de 21,3 % sendo que o IPCA (Índice de Preço ao Consumidor Amplo), no acumulado do ano de 2010 foi de 5,91%, segundo o IBGE, ou seja, um reajuste abusivo quase 4X (quatro vezes) o valor da inflação de 2010. Também houve reajuste no semestre anterior 2010.2, o que se repete a cada semestre, onerando orçamento mensal dos estudantes, implicando em possíveis desistências, trancamento de curso. Muitos estudantes surpreendidos com o aumento ainda não efetivaram sua matrícula por não terem em mãos o recurso financeiro suficiente para pagar a mensalidade. Além de aplicar no campus da Paralela e campus Comércio valores diferentes na mensalidade, no site da instituição até hoje 09/02/2011 é divulgado o valor nominal de R$ 550,00 e R$ 517,00 com desconto no pagamento antecipado, enquanto nos boletos da Paralela se aplica o valor de R$ 625,00 podendo se caracterizar propaganda enganosa, e também nos faz questionar qual o valor real apresentado ao MEC já que existe o pagamento de Bolsas do ProUni e o financiamento do Fies. O valor hoje praticado torna o curso o mais caro do Norte-Nordeste, basta-se fazer uma rápida pesquisa. Abaixo valores em algumas capitais. A seqüência de aumentos não é justificada por mudanças sensíveis na qualidade do curso no período dos reajustes, pois não houve. O curso sofre por dispor de equipamentos e estrutura de forma deficitária para uma melhor prática pedagógica, com destaque, nas condições das estruturas físicas do campus do Comércio, os transtornos na reserva de projetores prejudicando apresentações de trabalhos acadêmicos, o quadro de professores com poucos doutores, e questões das Disciplinas Institucionais, como Estudos Culturais que para o curso de História tem relevância diferenciada do que em outros cursos, e são ministradas EAD sem desconto no valor da disciplina. O C.A. União dos Búzios requer explicações plausíveis e se necessário for tomará medidas administrativas e/ou judiciais cabíveis em defesa dos estudantes que representa. A educação para muitos pode ser vistas como mercadoria, um produto em forma de prestação serviço, mas ela um direito constitucional e deve ser acessada não por uma simples relação de consumo.
               
                                               
Alguns cursos presenciais de História do Nordeste reconhecidos pelo MEC:
-Faculdade São Bento da Bahia /Licenciatura em História R$ 459,00
-Universidade Católica do Salvador /História - Bacharelado e Licenciatura R$ 370,00
-Universidade Católica de Pernambuco – UNICAP/ História – Licenciatura R$ 432,24
-Centro de Estudos Superiores de Maceió-CESMAC/Licenciatura em História R$ 270,30
-Centro de Ensino Superior Piauiense Ltda. - FAP Licenciatura em História, pagando entre o dia 01 à 08 R$ 280,00, de 09 À 15 R$ 310,00, de 16 À 20 R$ 350,00.

Fontes:
http://emec.mec.gov.br/ acesso em 08 e 09/02/2011
http://www.ibge.gov.br/ acesso em 08/02/2011
http://www.ucsal.br/ acesso em 08/02/2011


Expediente: Flavio Pereira (Coord. Financeiro), Verônica Nairobi (Coord. Acadêmica), Rafaela Giffone (Coord. Política), Jackson Mauricio (Coord. Comunicação). 


Siglas do ME

Segue abaixo as siglas que fazem parte do Movimento Estudantil, para conhecimento de todos:

CAUB - Centro Acadêmico dos estudantes de História União dos Búzios. É a entidade que representa os Estudantes de História da UNIJORGE - Centro Universitário Jorge Amado.

FEMEH - Federação do Movimento Estudantil de História. Entidade que representa todos os Centros e Diretórios Acadêmicos de História a nível nacional.

CONEHI - Conselho Nacional de Entidades de História é onde os Centros e Diretórios Acadêmicos se reúnem para organizar a federação nacionalmente, sendo suas decisões submetidas às da plenária final do ENEH. Outros estudantes podem participar do conselho, tendo direito a voz, contudo somente os CAs e DAs tem direito a voto (um por entidade, independente do número de pessoas de cada CA presentes).

COREHI - Conselho Regional de Entidades de História é onde os Centros e Diretórios Acadêmicos se reúnem para organizar a federação regionalmente, sendo que cada regional organiza seu próprio COREHI. As decisões tomadas nesse espaços estão submetidas às da plenária final do EREH e ENEH. Outros estudantes podem participar do conselho, tendo direito a voz, contudo somente os CAs e DAs tem direito a voto (um por entidade, independente do número de pessoas de cada CA presentes).

ENEH - Encontro Nacional de Estudantes de História acontece anualmente. É composto por espaços acadêmicos, políticos e culturais. É o espaço privilegiado de construção do Movimento Estudantil de História, de aproximação de novos estudantes e de acúmulo de debate acerca de diversos temas. A plenária final do ENEH é a instância máxima de deliberação da FEMEH.

EREH - Encontro Regional de Estudantes de História acontece anualmente em cada uma das regiões do Brasil. Como o ENEH, ele é um espaço privilegiado de construção do Movimento Estudantil de História, sendo especialmente importante por capilarizar ainda mais as pautas da Federação e preparar as discussões de modo que elas cheguem mais aprofundadas no âmbito nacional.
GTs permanentes - Os Grupos de Trabalho permanentes visam o aprofundamento e acúmulo da federação em diversos temas. Cada GT é organizado por uma escola, e visa a produção de materiais para o enriquecimento das discussões da FEMEH.

EIV - Estágio Interdisciplinar de Vivência.
A metodologia dos EIVs é fundamentada sobre o trabalho coletivo. Envolvendo todos os participantes – os organizadores e os estagiários – nos espaços educativos, o EIV é produto de uma construção coletiva, visando colocar aqueles ali presentes enquanto sujeitos que são parte da construção do estágio.
O estágio é construído de maneira descentralizada, sendo que cada estado constrói junto a diferentes movimentos sociais, de acordo com as relações que desenvolve com esses movimentos.

Sobre o CAUB


Blog criado para divulgação de atividades na área de História e comunicação entre os estudantes e o CA do curso de Licenciatura em História da UNIJORGE.
O CAUB, Centro Acadêmico dos Estudantes de História da UNIJORGE, é formado por 5 coordenações executivas, tendo 7 coordenadores:

Coordenadora Acadêmica:
Nairobi Aguiar – nairobiaguia@yahoo.com.br

Coordenadora Acadêmica:
Talitha Guimarães – tatabs14@hotmail.com

Coordenador de Comunicação:
 Jackson Mauricio – jackson_mauricio@hotmail.com

Coordenador de Cultura e Eventos:
Rivaldo Cardoso – rivaldomumia@hotmail.com

Coordenadora de Cultura e Eventos:
Sandra Machado – sanmachadosilv@hotmail.com

Coordenador Financeiro:
Flavio Pereira– flaviocarper@hotmail.com

Coordenadora Política:
Rafaela Giffone – rafa.elamesmo@hotmail.com